Série: Natural, mas pode fazer mal - Cálcio

Hoje a série “Natural, mas pode fazer mal” vai trazer um assunto muito interessante: o cálcio. Um mineral essencial para os cães e os gatos, mas que precisa ser oferecidos em doses certas para não causar problemas.

O cálcio é o mineral mais abundante no corpo de todos os mamíferos. Cerca de 99% deste mineral está presente nos ossos. Dessa forma, os ossos funcionam como verdadeiras reservas de cálcio do corpo.

A saúde dos ossos, é portanto, dependente da ingestão de quantidades corretas de cálcio. Mas o cálcio não trabalha sozinho nesse quesito. É importante, também, uma ingestão adequada de fósforo. Pois juntos, na proporção correta, eles fazem muito bem para os ossos.

Porém se o cálcio e o fósforo forem ingeridos de maneira desbalanceada, um atrapalha a absorção do outro. Por isso é muito importante que eles sejam ingeridos em quantidades corretas, pois a deficiência desses minerais faz mal, mas o excesso também pode ser muito prejudicial para a saúde dos cães e gatos.

Importância do Cálcio

Além da composição óssea, o cálcio possui importantes funções na fisiologia e metabolismo dos cães e dos gatos. Ele participa da coagulação sanguínea, transmissão de impulsos nervosos, excitação e contração muscular, dentre outras funções.

A deficiência de cálcio no corpo dos animais pode causar manqueira, desmineralização óssea - o que deixa o osso mais fraco, aumentando as fraturas - epilepsia, eclâmpsia e etc. Algumas interações entre minerais também podem causar a diminuição do cálcio no corpo. O excesso de zinco e fósforo, por exemplo, podem causar deficiência na absorção de cálcio.

A fase em que os animais precisam da maior ingestão desse mineral é quando são filhotes. Como os ossos dos filhotes estão em crescimento e desenvolvimento, a ingestão de quantidades corretas de cálcio associadas a quantidades correta de fósforo só trazem benefícios para a saúde dos ossos e para um crescimento saudável e correto.

Nas últimas semanas de gestação das cadelas a ingestão de cálcio aliado ao fósforo também deve ser aumentada, pois os fetos crescem rapidamente no final da gestação. O mesmo acontece no período de amamentação, já que o leite deve fornecer o cálcio necessário para os filhotes.

Já os idosos não requerem aumento na administração de cálcio, pois a osteoporose não é uma doença comum em cães e gatos.

O excesso de Cálcio

É fácil perceber a importância do cálcio no corpo dos animais. Entretanto deve-se ficar atento ao seu excesso no organismo. O excesso, assim como a deficiência, também é prejudicial, podendo causar problemas articulares e atrapalhar o crescimento saudável dos animais.

Por exemplo, o excesso de cálcio ministrado para os filhotes acarreta em má formação do esqueleto. Nos cães adultos o excesso desse mineral causa problemas graves nas articulações do quadril e cotovelos. E em todas as fases de vida, o excesso pode diminuir a absorção de fósforo.

Assim como há interações entre minerais que causam a deficiência da absorção do cálcio, existem também algumas interações que aumentam a sua absorção. Um exemplo disso é a vitamina C. Quando há ingestão de muita vitamina C, há também um excesso de absorção de cálcio, o que pode levar a desordens esqueléticas. Os cães e gatos saudáveis não precisam de suplementação com vitamina C, pois ela já é produzida pelo corpo deles.

Assim como outros nutrientes, a quantidade de cálcio deve ser apropriada e nunca excessiva! A forma mais saudável de tratar seu pet é oferecendo para ele uma alimentação saudável e balanceada. Uma alimentação natural completa e balanceada é o caminho mais seguro.


Andressa Gusmão e Lígia Alfenas, instrutoras da PetLogia.

PetLogia - Ideal para seu negócio, ideal para seus pets.


comments powered by Disqus